Sunday, January 04, 2009

A Epidemia da Obesidade nos EUA: O Futuro do Brasil?

Recentemente eu vi um artigo do meu amigo Mike Howsden onde o secretário de saúde do estado de Nova York, nos Estados Unidos da América, defende um imposto de 18% proposto pelo governador a incidir sob bebidas açucaradas.



Esta semana o New York Times publicou um artigo sobre efeitos da flutuação de açúcar no sangue sobre a memória. Resumindo, o estudo indica que flutuações no nível de glicose (açúcar
no sangue) afetam a formação de memórias permanentes no cérebro. Isso quer dizer que aquele "guaranázinho" ou "coquinha" (ou outros alimentos ricos em açúcar e pobres em fibras) que damos para crianças podem afetar o aprendizado e ajudar a diminuir o rendimento escolar das mesmas. Para quem tem mais de 30 anos -- idade na qual o controle natural de açuçar do corpo começa a não funcionar tão bem -- isso também tem implicações sérias.


Eu já moro nos EUA há quase dez anos. É um tempo considerável. É inevitável que eu faça comparações entre os dois países, já que eu conheço o Brasil melhor que a maioria dos Americanos, e conheço os EUA melhor do que a maioria dos Brasileiros (que costumam falar abrobrinhas enormes sobre os EUA quando eu vou ao Brasil).

Eu passei a maior parte dos meus anos no Brasil em Manaus, no Amazonas, mas também morei em outros estados, como São Paulo e Pará, e em várias cidades. No Amazonas come-se muito peixe, devido à sua abundância e ao gosto do Amazonense, que adora peixe. Mas também toma-se muito refrigerante no Amazonas, e eu só tenho visto isso aumentar nos anos que tenho retornado ao Brasil.

Eu creio que hoje -- nos Estados Unidos, mas aparentemente ainda não no Brasil -- estamos na fase aonde chegamos ao final dos anos 80 em relação ao cigarro: temos informações suficientemente difundidas sobre os danos à saúde do uso exagerado de açúcares refinados -- cujo veículo principal são os refrigerantes -- que estão causando um movimento da sociedade e dos governos contra esses produtos.

No Brasil, a meu ver, tem-se ainda mais um agravante: restaurantes do tipo fast food. Crescendo no Amazonas, tínhamos pouquíssimos restaurantes de fast food de cadeia. Tínhamos inúmeros restaurantes de hambúrguer e lanches, etc. locais, que eram nossos favoritos como adolescentes. Relativamente falando, não comíamos muito hambúrguer em lanches, geralmente uma vez no fim de semana, e a bebida favorita não era o refrigerante, e sim a jarra de suco de laranja ou o meu favorito na época: suco de cupuaçú com leite.

Numa das últimas vezes que fui ao Brasil, fui a um shopping center em Recife e fiquei embasbacado com o que vi: quase todas as mesas da praça da alimentação tinham gente comendo refeições do McDonald's com refrigerante. Quase todas!

McDonald's é algo relativamente novo em Manaus, as primeiras franquias abrindo por volta de 2004, salvo engano. Quando estivemos em Manaus pouco tempo depois da abertura dos McDonald's, muitos amigos nos convidaram entusiasmados para visitar o McDonald's local, nos oferecendo o que eles viam ser o melhor. Quando recusávamos educadamente os convites parecia que éramos alienígenas.

McDonald's, nos EUA, é onde se vai para comer quando não se tem dinheiro, quando você quer algo extremamente barato, mas que você sabe que é ruim. No Brasil McDonald's é caro, bem caro, e visto como o que há de melhor. Ledo engano.

Se continuarmos nesse caminho, como o que vi no shopping em Recife, vamos acabar com o mesmo resultado onde os Americanos se encontram agora: uma epidemia de obesidade, um enorme custo aos cofres públicos para cuidados de saúde decorrentes de doenças que outrora eram inexistentes ou facilmente evitáveis, e gerações de pessoas menos produtivas e menos aptas a concorrer no mercado global. Tudo que um país em desenvolvimento como o Brasil não precisa.

Mudanças simples podem ajudar muito esse quadro sombrio:
  • Não se precisa de sal em tudo. Aliás, não se precisa de sal em quase nada. Os alimentos já dispõem de sal naturalmente.
  • Refrigerante deveriam ser algo que tomamos raramente, e não algo que tomamos como água. Além do açúcar, refrigerantes também tem muito sal (que é o que dá aquele ardor refrescante na garganta, para logo em seguida causar mais sede)
  • Pão integral é melhor.
  • Todos nós, e especialmente crianças, precisamos de frutas e fibras vegetais, ao invés de doces e alimentos sem fibra nenhuma.

3 comments:

  1. Artigo esclarecedor,escrito de forma clara, didática e simples contendo todas as informações que a minoria já sabe,mas não põe em prática e se destrói sabendo; e que a maioria não sabe por ignorância, e se destrói sem saber.

    ReplyDelete
  2. Olá Roberto, concordo com quase tudo que disse, exceto sobre o suco de frutas natural, que contém grande quantidade de açúcar(frutose) e nenhuma fibra o que causa quase mesmo impacto no organismo que o refrigerante, (falando em relação a obesidade),sendo assim também prejudicial. Suco é muitooo calórico, prefira sempre as frutas pois essas tem fibras naturais que inibem em parte a absorção do açúcar contido nelas.
    Sabe-se que o norte-americano tem o hábito de consumir litros de suco de laranjas e maçãs o que contribui para ganho de peso, já que um copo de suco dessas frutas equivale em calorias a mesma quantidade do leite integral.

    Mari.

    ReplyDelete
  3. mixtura magra: eu não recomendei diretamente o consumo de suco frutas natural, mas minha opinião pessoal é de que é muito melhor tomar suco natural do que refrigerante.

    Sim, suco natural é rico em frutose, mas isso é diferente da sacarose do açúcar refinado do refrigerante. Sim, é caloria, mas nem todas as calorias são criadas iguais, nem digeridas da mesma maneira pelo organismo.

    Não tenho dados para basear, mas eu creio que os litros de suco de laranja e maçã que os norte-americanos consomem não contribuem para o aumento de peso que é visto naquele país, como você afirma. Em outras palavras, se os norte-americanos parassem de comer dietas ricas em sal, gordura, e refrigerantes, eu duvido que eles engordariam devido somente ao consumo de suco de fruta natural.

    Mas claro, consumir a fruta com as fibras é melhor.

    ReplyDelete