Sunday, September 04, 2011

Objetividade em eventos preparativos para a Copa de 2014

Na Sexta-feira eu e outras 70 pessoas (calculo eu, não sei da frequência apurada oficialmente) participamos do ECOM 2011 Manaus. O nome do evento era ambicioso e espetacular: 1o. Seminário e Workshop Nacional de Comércio, Negócios Eletrônicos e [Novos] Meios de Pagamento.

Infelizmente eu achei o evento desapontante, e exponho aqui minhas razões.

O principal motivo de desapontamento para mim foi que o conteúdo das palestras foi de muita pouca aplicação prática para o micro e pequeno empresário local. Não havia uma única empresa local sequer expondo ou apresentando no evento, apenas as patrocinadoras do evento.

Como alguém que já organizou eventos, e entende de patrocínio, eu posso entender o por que disso, mas de qualquer forma, sem a presença de empresas locais que prestam serviços ou vendem produtos relacionados às áreas que foram discutidas e trazidas à atenção dos empresários, ficará muito mais difícil que algo dali se concretize.

As grandes empresas que patrocinaram o evento - com exceção da SAMSUNG - gastaram aproximadamente METADE das suas apresentações falando de quão maravilhosas eram suas respectivas empresas.

Caro Sr. representante da Vivo, sinto muito lhe informar, mas como empresário interessado em inovar e me preparar para a Copa de 2014, não tenho o mínimo interesse de saber que a Vivo fundiu-se com a Telefónica, e que ela atua em 25 países, e que tem não-sei-quantos-milhões-de-assinantes. Isso é conversa para sua brochura, ou para propaganda para acionistas, mas simplesmente não cabia no evento. O Sr. ainda tentou desconversar quando alguém trouxe à tona que a Vivo deixou a população Manauara na mão semana passada. Deveria ter encarado o problema de frente, reconhecido as falhas e pedido desculpas. O que eu queria saber da Vivo (e de todas as outras empresas) é "que soluções a Vivo me oferece que me ajudarão a vender? a criar um novo produto ou serviço? a melhorar minha produtividade e lucratividade?"

O representante da GOLLog gastou boa parte do tempo dele dando o que parecia ser uma aula de matéria de um curso universitário de logística. Seria ótimo se eu fosse aluno de logística, mas não sou, e imagino que poucos presentes o eram. E francamente, o serviço da GOL Log é ruim, e caro. Ligue para a GOL Log e perguntar "onde está minha carga?" Quando você finalmente conseguir falar com alguém, vão lhe dizer que você tem que ligar para a franqueada de origem da carga e pedir o número de rastreamento, por que a franqueada daqui não sabe, e cada franqueada só fala com outra via e-mail (telefone?! Skype!? nem pensar!) então tem que esperar o e-mail voltar.

Dentre os palestrantes empresariais, a Samsung foi a grande exceção. Maravilhou os presentes com possibilidades de produtos e serviços inovadores em torno de tablets, como os táxis que recebem clientes em várias línguas, e restaurantes que usam tablets como cardápios e para receber pedidos. Parabéns! Poderia ter ido um pouco mais além, engajando os presentes a participar de uma comunidade dos produtos da Samsung que foram demonstrados, não deixando passar o momento da isca apresentada na palestra.

A Oracle nem sequer deu as caras. O Santander, infelizmente, cometeu o mesmo pecado que a Vivo. Eu já sei que o Santander é um banco grande. Não precisa me dizer isso, nem quantos correntistas tem, etc. Consegui absorver apenas uma coisa prática e útil da palestra do Santander: eles tem uma máquina de cartão de crédito que também faz transações pela internet. Ah, e que eles não cobram taxas de máquina quando a conta é com eles. Bom saber.

O micro e pequeno empresário tem pouco dinheiro e pouco tempo. O evento deveria ter feito o máximo para que os empresários saíssem dali com ítens de ação (actionable items), práticos, realizáveis, mostrando possíveis parceiros. Abrir um pouco de tempo para que os empresários presentes tivessem 30 segundos para expor quais são os seus negócios, produtos e serviços, teria transformado os participantes de meros expectadores em participantes engajados.

Chamamos esses espaços de "lightning talks" (palestras relâmpago) em eventos de software livre, onde participantes tem 1 minuto para falar sobre suas idéias. Como eu gostaria de ter ouvido as idéias dos participantes! Quem sabe eu não poderia ter identificado ali alguém com quem me associar para criar um novo produto ou serviço?

No geral, o evento foi positivo. O loca é ótimo e bem central (Manaus Plaza centro de convenções). A palestra do Sr. Marcelo Castro foi extremamente motivadora e prática. Mas nossa, quanto potencial foi desperdiçado no evento. Temos problemas sérios a resolver até a Copa, e oportunidades reais a serem exploradas. Parabenizo a iniciativa do CDL, e os esforços dos que organizaram o evento, mas infelizmente o evento não alcançou o potencial que tinha.

No comments:

Post a Comment